Adelina – A Charuteira

Escrava e abolicionista. Maranhense, de São Luís, Adelina era filha de uma escrava com um senhor. Sabia ler e escrever, porém seu pai não cumpriu a promessa de libertá-la aos 17 anos de idade. Já na adolescência, seu pai empobreceu e passou a fabricar charutos. Adelina era então sua vendedora, circulando pela cidade, vendia charutos para os bares da cidade, bem como para fregueses avulsos. No Largo do Carmo, onde costumava parar, vendia charutos para os estudantes do Liceu, onde teve a oportunidade de assistir a comícios abolicionistas promovidos por esses. Com a facilidade em que circulava pela cidade, Adelina era uma importante informante a cerca das ações da polícia aos ativistas e ainda ajudava na fuga de escravos, cooperando assim com o movimento abolicionista.

Fontes:
– Caderno de Formação do MNU – Movimento negro Unificado.
– Dicionário Mulheres do brasil – De 1500 até a atualidade biográfico e ilustrado. Jorge Zahar Editor, 2000.