Criola

Destaque | Notícias - 06/jan/2019

Sociedade civil organizada, autônoma e atuante é base da democracia!

A Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais – Abong, rede de organizações da sociedade civil de defesa de direitos e dos bens comuns,  vem por meio desta nota pública informar a sua base associativa, as redes e  plataformas e as demais organizações parceiras que não reconhece a legitimidade do  inciso II do artigo 5o da Medida Provisória 870 de 2019 no que trata das funções da Secretaria Geral da Presidência da República em relação as organizações da sociedade civil nacionais.

Não cabe ao Governo Federal, aos governos estaduais ou municipais supervisionar, coordenar ou mesmo monitorar as ações da organizações da sociedade civil que tem garantido pelo artigo 5o da Constituição Federal  plena liberdade de atuação e de representação de suas causas e interesses.  Cabe aos governos o controle sobre os recursos públicos que venham a ser objeto de parceria com as organizações da sociedade civil e, para isso, há  legislação própria
que define os direitos e obrigações, inclusive, de prestação de contas  anuais.

Por isso, a Abong irá interpelar administrativamente o Governo Bolsonaro  para que adeque os termos da MP as normas constitucionais e irá buscar  dialogo com todos os segmentos da sociedade brasileira no sentido das garantias
constitucionais de atuação da sociedade civil de forma livre e autônoma.

São Paulo, 03 de janeiro de 2019.
Conselho Diretor