Criola

No Brasil, a população negra – que representa 75% entre os mais pobres — é uma das mais vulneráveis aos diversos efeitos sociais, econômicos e sanitários da pandemia. A Covid-19 só́ aumentou a visibilidade dessa opressão e desigualdade.

Os direitos das mulheres negras cis e trans foram muito atacados. Os níveis de condições de vida pioraram, incluindo empobrecimento, falta de água potável e saneamento básico, perda dos postos de trabalho já precarizados, ampliação da carga de trabalho no campo do cuidado de doentes, crianças, idosos, familiares e de suporte a comunidade. As violências dobraram nos níveis institucional, individual e comunitário. Houve desmonte dos serviços de enfrentamento da violência, especialmente a sexual, com retrocesso em legislações voltadas para os direitos sexuais e reprodutivos, além da precariedade no acesso aos serviços de saúde materna.

Criola enfrenta esse cenário por meio do monitoramento de direitos (Observatório de Direitos Humanos Crise e Covid-19), da ajuda humanitária (campanha Tem Gente com Fome) e da parceria com defensoras de direitos humanos (REDES), entre outras ações.


Observatório Direitos Humanos Crise e Covid-19

O que é: Iniciativa cofundada por Criola, monitora a situação dos direitos humanos no contexto da pandemia e exige a democratização do acesso à saúde e a recursos necessários para preservar a vida e enfrentar desigualdades e discriminações.  Os boletins e informes trazem avaliação de pesquisadores e especialistas para apoiar pressão política e reinvidicações de movimentos sociais.

Acesse abaixo os principais materiais e visite https://observadhecovid.org.br/ para ter acesso aos vídeos, podcasts e artigos.

  • Informe: Perguntas sem respostas sobre a atuação do governo federal no contexto da pandemia da Covid-19 (Acesse)
    Por que o governo federal boicotou o isolamento social? Por que a demora na compra de vacinas? Por que não negociaram com a China? Por que insistem na cloroquina? O material busca gerar incidência e debates nos Parlamentos, na mídia, nas organizações não-governamentais e movimentos sociais. Os insumos poderão ser encaminhados aos Tribunais de Contas, Ministério Público e Poder Judiciário para que o país passe a limpo os crimes cometidos contra os serviços públicos e para que, coletivamente, sejam construídas saídas em defesa da vida e dos direitos humanos.
  • Informe: Balanço da política brasileira de vacinas (Acesse)
    Levantamento retoma o histórico de vacinação no Brasil, com foco nas ações do governo federal durante a pandemia do novo coronavírus. O estudo mostra como chegamos ao colapso do Sistema Único de Saúde, que já sofria com os cortes de verba e agora enfrenta superlotação e falta de suprimentos básicos para os doentes.
  • Balanço: Planos de Vacinação nos estados e capitais do Brasil (Acesse)
    Material revela que quilombolas, população ribeirinha e população em situação de rua foram incluídos como prioritários nos Planos de Vacinação de menos da metade das unidades da federação e das capitais brasileiras.


REDES – Fortalecimento de Redes de Cuidado e Proteção entre Mulheres Negras Ativistas

O que é: Em parceria com Criola, 21 grupos e organizações lideradas por mulheres negras cis e trans promovem ações políticas locais para o enfrentamento às crises agravadas pela a pandemia da Covid-19. Além da incidência política, as parceiras também promovem ações de prevenção a Covid-19 e de ajuda humanitária com distribuição de cestas básicas.

Conheça os 21 grupos em 5 Estados:

  1. Projeto Mulheres nós na Luta (Bangu/ZO/RJ)
  2. Coletivo Agbara (Zona Norte/RJ)
  3. Ilê Omolu e Oxum – RENAFRO (Rede Nacional)
  4. NICA Jacarezinho (Zona Norte/RJ)
  5. llê Omiojuaro (Nova Iguaçu/RJ)
  6. Articulação Nacional Jovens Negras Feministas (Nacional)
  7. Teia de Solidariedade da Zona Oeste (Zona Oeste/RJ)
  8. Feira das Mulheres Pretas / Rede de Mulheres de (Recife/PE)
  9. Coletivo Filhos nos Braços do Pai e Rede de Mães e Familiares Vítimas da Baixada (Jardim Bela Vista – Nova Iguaçu/RJ)
  10. Minas da Baixada (Baixada Fluminense/RJ)
  11. Eu Sou do Meio (Belford Roxo/RJ)
  12. Associação Dandara de Direitos Humanos – ADDS (Magé/RJ)
  13. Ilê Axé Yá Manjele Ô (Zona Norte / RJ )
  14. Alagbara Tocantins (TO)
  15. Comissão Pastoral da Terra – CPT (Nacional)
  16. Coletivo Amazônico LesBiTrans (AM)
  17. Coletivo Vila Beira Mar (Parque das Missões/RJ)
  18. Grupo de Mulheres lésbicas e bissexuais Maria Quitéria (João Pessoa – Paraíba)
  19. Rede de Mães e Familiares da Baixada Fluminense (São João de Meriti/RJ)
  20. Coletivo Hidras (MST- Baixada Fluminense/RJ)
  21. Apadrinhe um Sorriso (Parque das missões DC/RJ)

Campanha Tem Gente com Fome

O que é:  A campanha #TemGenteComFome, realizada pela Coalizão Negra por Direitos e outras entidades, busca apoiar mais de 222 mil famílias em situação de vulnerabilidade social, a maioria liderada por mulheres negras. Criola é responsável por distribuir cestas básicas a grupos de mulheres negras, terreiros, lideranças comunitárias e comunidades quilombolas no Rio de Janeiro e em outros estados.

Rio pela Vida

O que é: A mobilização Rio pela Vida propõe um pacto local no estado do Rio de Janeiro em torno de uma agenda para salvar vidas e controlar a disseminação da Covid-19. Criola integra a iniciativa ao lado de representantes dos municípios e instituições e lideranças culturais, religiosas, políticas, comunitárias, sindicais, empresariais, científicas e de profissionais de saúde.

  • Clique aqui para conhecer as atividades.

A hora é agora

O que é: Projeto realizado por Criola em 2020 alcançou 6 mil pessoas no Estado do RJ em parceria com 46 lideranças negras. Foram realizadas doações de cestas básicas, mutirões de cadastramento e inscrições no auxílio emergencial.

  • Clique aqui para conhecer os resultados da iniciativa e a metodologia utilizada.

Outras iniciativas nacionais

A defesa de direitos das mulheres negras ainda motiva a participação de Criola em articulações da sociedade civil como as campanhas Vacina para Todas e Todos e Renda Básica que Queremos, entre outras. Acompanhe em nossas redes sociais!