Criola

Destaque | Notícias - 01/dez/2017

Criola e Geledés participam do Fórum de Minorias da ONU

Descrição da imagem - com Viviane Gomes

Share on FacebookGoogle+Tweet about this on TwitterEmail to someone

Mais de 500 pessoas de todas as regiões do mundo se reuniram, em Genebra, Suíça, de 29 de novembro até 1º de dezembro, para participar da Reunião Temática Preparatória do Comitê para Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial (CERD) e do Fórum das Nações Unidas sobre Questões das Minorias. Lia Manso e Rodney Jericó, advogada e advogado de Criola e Geledés, respectivamente, acompanharam o evento. Representando o projeto Justiça para Mulheres Negras, que tem apoio da Open Society, eles entregaram ao representante da missão brasileira documentos que informam, através de dados, análises e acompanhamento jornalístico, a situação de violação de direitos humanos das mulheres negras e da intolerância religiosa. Aproveitaram a ocasião e ponderaram sobre a necessidade de estreitamento de relações com o Itamaraty para abordagem dos temas relacionados a raça/cor e gênero.

Lia Manso destaca que o início dos trabalhos foi marcado por uma discussão sobre racismo e discriminação racial conduzida pelo CERD. Os pronunciamentos dos países africanos, europeus e latino-americanos foi sobre perfilamento racial como forma de hierarquização das sociedades, de exclusão, encarceramento, vulnerabilidade, pobreza e morte. “Não se trata de uma escolha pessoal, dos indivíduos, mas como uma escolha política institucional como forma de criar um status marginal, lido pelas instituições, e que coloca as pessoas num lugar de segunda ou terceira cidadania ou desumanização”, relata Manso.

Especialistas do Comitê indicaram e recomendaram que os profissionais da justiça deveriam receber um treinamento especial para perceber, quando estiverem diante de uma situação concreta, o perfilamento racial e a discriminação. Outra recomendação diz respeito à educação afrocêntrica como forma de combater a hierarquização racial eurocêntrica. Por fim, apontaram a importância da produção de dados de maneira desagregada para mostrar a desigualdade de acordo com o perfil racial da população.

 

 

A redação é de Viviane Gomes e as fotos são de Lia Manso e Rodney Jericó.