Criola

Notícias - 14/set/2021

Em audiência na prefeitura do Rio, Criola cobra ações de prevenção à Covid-19 voltadas à população que usa o BRT

A progressiva liberação de eventos públicos e atividades de lazer no município do Rio do Janeiro, tais como o retorno presencial das torcidas em jogos de futebol no estádio do Maracanã, precisa vir acompanhada do cuidado com a saúde e a vida da população.

Essa preocupação de Criola, especialmente em relação à mulheres negras trabalhadoras e familiares que não tiveram condições de realizar isolamento social ao longo da pandemia, motivou audiência com o secretário de Saúde do Rio de Janeiro, Daniel Soranz, na última segunda-feira, dia 13 de setembro.

No encontro, Criola sugeriu a realização de eventos com testagem gratuita em massa para Covid-19 nas estações do BRT. Esse é o principal meio de transporte de moradores dos bairros da Zona Oeste, que registram o maior número de mortes decorrentes da doença na capital fluminense, como Bangu e Campo Grande.

O secretário de Saúde informou que não haveria segurança sanitária para testagem nas estações, sob risco de aumento na contaminação pela doença. Em contrapartida, Daniel Soranz propôs eventos de vacinação nas proximidades do BRT da Zona Oeste para poder alcançar grupos que não tiveram a oportunidade de receber a primeira ou a segunda dose da vacina para Covid-19, tais como refugiados, pescadores e marisqueiros, empregadas domésticas, entre outros. Ainda segundo o secretário, a prefeitura planeja em breve ampliar a compra de testes e capacidade de testagem.

Criola concordou que ações específicas de vacinação aos usuários de BRT são necessárias, mas destacou que faltam campanhas amplas de prevenção à Covid-19 e esclarecimentos sobre a importância da segunda dose. Ainda cobrou que máscaras de qualidade sejam oferecidas de forma gratuita para essa população, que é obrigada diariamente a enfrentar problemas como aglomerações, redução na oferta de transporte e veículos lotados nos deslocamentos para o trabalho.

“Muita coisa já poderia ter sido feita antes. Há uma grande perda de vidas em torno da demora em ações como essas”, destaca Lúcia Xavier, coordenadora geral de Criola presente na reunião.

Também representando a sociedade civil, estiveram na audiência com o secretário de Saúde Clátia Vieira e Ruth Salles (Fórum de Mulheres Negras RJ) e Marina Ribeiro (Coletiva Popular de Mulheres Zona Oeste). A vereadora Tainá de Paula também acompanhou o encontro.

Por Júlia Tavares, da Comunicação de Criola.

Crédito imagem: Agência O Globo